Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Figueira da Foz

por neves, aj, em 16.10.07

IR PARA FIGUEIRA DA FOZ, FOTOSO Algarve jáexistia no tempo da minha infância e adolescência. E apesar de também jáexistirem ingleses, ainda não o tinham descoberto.
Lembro-me de ver oAlgarve cá em baixo ao fundo do mapa em forma de rectângulo onde a altura seriaaí umas duas vezes maior que a outra dimensão. Naqueles tempos Portugalera assim para nós, um mapa pendurado na parede da sala de aula com muitaslinhas azuis a simbolizar os rios e vários tons de cor que identificavam aforma do relevo: a leste e a norte acastanhado para nos lembrar as montanhas edo lado esquerdo e pra baixo as lezírias e planícies em tons mais esverdeados.No mapa havia também, aqui e acolá, umas bandeirinhas dos dois irmãosibéricos entrelaçadas em V quase todas referenciando vitória, claro, napancadaria que durante séculos nos uniu hermanamente, e existiam aindauns traços negros que se referiam às linhas férreas e que, orgulhosamentecomo nos era dito, percorriam Portugal de Norte a Sul e de Leste a Oeste.Obrigavam-nos a sabê-las de cor e salteado, onde nasciam e desaguavam(como se o sentido nos interessasse), quais asestações e apeadeiros por onde passavam e as confluências ou entroncamentosque tinham, mas a maior parte de nós não sabiao que era isso de andar de comboio ou trem como por aqui é identificado. Antesera assim, quase não saíamos do mesmo lugar, estávamos como que colados,grudados à santa terrinha. É verdade meninos e meninas das novas gerações...é que naquele tempo as Escolas não organizavam viagens de estudo e viajar ou gozarférias eram expressões desconhecidas no burgo. Verdade seja dita que, eorgulhosamente o digo, usufruíamos do enorme poder de puxar pela imaginação,que hoje e em verdade novamente vos digo e sem querer menosprezar quem quer queseja, anda um pouco arredia das mentes a que a evolução tecnológica quasetudo oferece.

E éesta imaginação que o passado me obrigou a cultivar, talvez, a culpada de andar por aqui às voltas para vos falar umpouquinho daFigueira da Foz, a cidade que apadrinha a chegada das águas do Mondego aoAtlântico que agora nos separa. Poderá parecer absurdo começar pelo Sul dePortugal para chegar até aqui, mas nestes tempos modernos em que há a mania derumar ao Algarve para falar de praia e mar só queremos lembrar que naqueletempo já existia mar e praia cá para cima. Diria mais: aí aos 15 anos eu tivea certeza absoluta que existia mar... na Figueira da Foz, a chamada Rainha dasPraias Portuguesas que todos os anos era apajeada por Miss e está eternizada por poemacantado. Cá para mim,a Figueira da Foz ainda era mais que soberana, era aprimeira de todas elas... e única, convenhamos.

A homenagem àFigueira, escrita em óbvio direccionamento aos fiéis que a amam, está feita. Sirvam-se agora do que chegou até nós e vivam, porque também se viverecordando.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:40




calendário

Outubro 2007

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031