Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Tens que me engolir

por neves, aj, em 23.11.07

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

A campanha chegou ao fim.

(os tons da Família PINK vão em rosa para que a degustação dos que se armaram em machos se torne ainda mais complicada)

CLICAR CLICAR Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket
CLICAR CLICAR

O castigo por não terem acreditado é engolir o maior dos paquidermes, o PINK-MOR.
O memorável acontecimento deve ocorrer a hora religiosamente pré-estabelecida por relógio certo e pontual que não falhe um segundo e obrigatoriamente deve ser acompanhado por chocolates da melhor qualidade e ao som de Danúbio Azul. Avisa-se que o gorducho tem sabor a papel de passaporte (para Suíça e Áustria) e os ossos são gravados com os nomes dos atletas, técnicos e demais pessoal que formam o grupo da Selecção Nacional Portuguesa sendo oportuno lembrar que todos os ossos têm ainda as iniciais LFS em forma de sopapo. Para os que por hipótese esbocem logo no início algum arrependimento pelas blasfémias ditas ou escritas é permitido que as orelhas, o rabo e a tromba sejam adereços a não engolir. Assim poderá o arrependido abanar-se enquanto engole, fazer um colar com o rabo e levar a tromba como troféu considerando-a como sua. Quanto aos dentes está o blasfemador autorizado a evitar a sua deglutição se porventura escrever cem vezes: quem riu no fim não fui eu.

Como em tempo de festa há sempre amnstia, são abertas excepções para aqueles que, embora prevaricadores, se foram redimindo ao longo da campanha "tens que me engolir", aqueles que foram engolindo sucessivamente alguns dos PINKS conforme iam nascendo:

PINK I, canto superior esquerdo, nascido no Azerbaijão
PINK II, canto superior direito, nascido no Cazaquistão
PINK III, canto inferior esquerdo, nascido em Leiria
PINK IV, canto inferior direito, nascido no Porto

clicar nos respectivos

Assim quem engoliu um destes PINKS menores está isento de engolir as patas do PINK-MOR. Quem engoliu dois dos menores, fica isento das patas e de toda a parte traseira do maior. Quem engoliu três dos pinkesinhos só é obrigado a engolir a cabeça do grandalhão e finalmente quem engoliu os quatros PINKS considere-se livre de engolir o PINK-MOR sendo no entanto obrigado a levar para casa os respectivos e citados adereços e durante o Europeu 2008 terá que obrigatoriamente assistir e aplaudir publicamente a Seleccão de Todos Nós com a tromba bem visível.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:41

Selecção apurada para o Euro 2008

por neves, aj, em 23.11.07

No sufoco, diz a crítica endereçando apenas parabéns (levianos, talvez) sem elogios.
Ora que se danem os elogios ou a falta deles, o POVO ficou contente.
E como em tantas outras situações da vida enquanto os doentiamente insatisfeitos destilam todo o fel acumulado por más digestões a Terra continuará a girar para o mesmo lado e Portugal continuará a ser banhado pelo mesmo Atlântico.

Photo Sharing and Video Hosting at PhotobucketBom, é verdade que foi no sufoco... e depois? Que me interessa isso agora? Foi com honestidade, isso é que é o importante. Devia-se ter jogado melhor? Talvez, mas não jogou. E depois? Raios, deixemo-nos de ser mais papistas que o papa, mais puristas que os puros e sejamos práticos, pragmáticos. O que estava em causa era a qualificação e esta foi conseguida. Os críticos dizem que Portugal não conseguiu vencer os "mais poderosos" do grupo. É. E depois?  Não é a regularidade que faz um campeão? Os jornalistas nunca viram acontecer isso no Campeonato Português? Andam desatentos ou fazem parte de alguma cruzada? Que me interessa agora que venham dizer que Portugal deveria ter feito trinta e tal pontos e que deveria ter sido destacadamente o primeiro do grupo? Não fez trinta, fez 27 pontos e daí? Não foi primeiro, foi segundo. E depois? Qualificou-se, não? Não era isso que o povo português num geral desejava? Se Portugal tivesse dominado o grupo a seu belo prazer qual era a vantagem que levava para a Suíça?
Zero. Rien de rien, como diriam os franceses. Por lá, por terras alpinas, volta tudo ao início, todos os intervenientes vão começar no mesmo patamar, nos zero pontos.
Não é esta a grande verdade?
Então, em noite que deveria ser de festa é completamente estúpido estar a mexer nessa trampa mal cheirosa esmiuçando o passado. E, digo mais, não me venham com a treta de maior força anímica que essas vitórias todas nesta fase preliminar poderiam dar, porque em seis meses (é o que falta para a Fase Final) nasce e morre muita gente, estados de espírito levantam outros vão abaixo, atletas atingem picos de forma outros não mais acertam uma, uns recuperam de lesões outros entram nelas. Que raio querem os críticos?

Tudo isto vem a propósito do que leio sobre.  Sinceramente que não entendo certos jornalistas. Com um deles, senhor Luís Sobral, troquei galhardetes através dos comentários no MaisFutebol desde os tempos do célebre soco de Alvalade quando o homem começou autêntica cruzada contra Scolari. Pronto, lá terá a sua razão e o direito lhe assiste. Só que eu também tenho opinião e retruquei. Não defendi Scolari, defendi a Selecção que não podia ficar órfã a 4 jornadas do final do apuramento. Hoje voltei à carga, já que não gostei da suaescrita irónica onde dá apenas os parabéns à Selecção. Até lhe falei nuns elefantes que andam por aqui a pastar no Voz do Seven à espera de serem engolidos (já devia ter colocado o último dos paquidermes, mas ainda não houve tempo). O homem mandou-me ter bom proveito e eu dei-lhe troco. Polémicas à parte pergunto-me como se confunde Scolari com Selecção. Interesses que voam mais longe do que o meu entendimento alcança?

Finalizo com interrogações. Já escrevi em comentário qualquer que sei perfeitamente que a campanha não foi brilhante e acredito que os jogadores também o sabem e igualmente a equipa técnica. Mas será que eles e nós (nós os que ficámos contentes com a qualificação) não teremos o direito de saborear o champanhe do apuramento? Para quê fazer interrogações impertinentes sobre a campanha quando o barulho das rolhas a sair das garrafas ainda se ouvia? Bolas senhores jornalistas, dêem um tempo e façam lá essa análise daqui a um ou dois meses. Olhem aproveitem e publiquem também a análise ao triste Mundial 2002, o mundial dos copos da jogatina e das gajas... do mal o menos, quanto a isto está esta Selecção bem segura sob a controlo do sargentão Scolari, não acham?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:42




calendário

Novembro 2007

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930