Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Povo indígena guarani-caiová

por neves, aj, em 28.07.09

Esclareça-se desde já que sou um crítico dos [incivilizados] métodos utilizados na conquista de novas terras pelos navegadores/descobridores e desbravadores/exploradores (por aqui também conhecidos como bandeirantes) de antigamente onde, como é lógico, incluo todos os Gamas e Cabrais que tornaram grande a História de Portugal, mas aos quais "absolvo" porque afinal era prática corrente na época e a civilização europeia não entendia outra forma de conquista que não fosse a subjugação pela força. Aliás, não esquecer que a brava gente que zarpava da Ocidental Praia Lusitana rumo aos novos mundos até tinha o beneplácito divino visto que, em verdadeiro contra-senso, nas caravelas tomava assento um representante do Papa, por si representante de Deus na Terra, com a missão de Propagar a Fé e converter os infiéis... nem que fosse à paulada, como subentendemos. Claro que com tais acções do conquistador/colonizador europeu, algumas a raiar a barbárie, os povos autóctones, afinal os indígenas, foram amputados de suas crenças e culturas (também riquezas), brindados com doenças por si desconhecidas e se resistiam sofriam na pele a rebeldia chegando-se ao extremo de, literalmente, fazer desaparecer do mapa etnias completas. Verdadeiros genocídios que o passar dos séculos tem tendência a branquear (outros tempos... ouve-se dizer) e a colocar nas gavetas do esquecimento, mas que todo o homem de senso deve ter sempre bem presente e, diga-se num aparte e em opinião estritamente pessoal, que se algum dia eu chegasse a lugar representativo do meu país não teria pejo algum em pedir desculpa aos povos colonizados e aos escravos trazidos à força dos seus reinos africanos. É certo que muitos me dirão que são utopias de um mau governante em relações exteriores ou negócios estrangeiros, mas a verdade é que a consciência do homem apolítico dormiria (e governaria) melhor.

Photobucket
clicar na imagem

E o (já) longo intróito vem a propósito porque a minha mente não entende que à distância de cinco séculos, em pleno século XXI, desde a chegada do homem branco, ainda nos mostrem imagens de crianças indígenas desnutridas e que se fale em escassez de terras em tamanha imensidão. Passo-vos a bola: na raiz dos problemas dos guaranis-caiovás está a escassez de terras para a sobrevivência digna, posição compartilhada por Funai, Cimi, ISA (Instituto Socioambiental), antropólogos, organizações indígenas e representantes do Ministério Público Federal no Mato Grosso... a colonização do Mato Grosso do Sul no início do século passado e o consequente confinamento dos índios causaram a desestruturação das famílias... uma decisão do STF que proíbe a ampliação de terras indígenas e a expansão do agronegócio ameaçam a sobrevivência dos guaranis-caiovás...
Um clique na foto leva-vos a álbum de fotos que por si permite a consulta de vários textos e gráficos que denunciam a situação em que se encontra o Povo Indígena Guarani-Caiová.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:58




calendário

Julho 2009

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031