Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Água eléctrica

por neves, aj, em 12.08.09

Photobucket


Bom, do que queremos propriamente falar é de água potável que gera energia eléctrica ou por outras palavras de produção de electricidade pela água que já está nas condutas a caminho das torneiras lá de casa sem comprometer a qualidade da água. No Algarve, província mais a sul do reino da Lusitânia, já entrou em funcionamento uma central, chamada de mini-hídrica, e brevemente arrancará outra em Aveiro, a intitulada Veneza portuguesa.
Quem nos relata a pequena façanha é o Jornal de Notícias na sua edição de hoje.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:15

Militão, rica peça

por neves, aj, em 12.08.09

"Exportações" destas é que estragam o produto nacional, mas enfim, bestas existem em todo o mundo e nenhum povo está livre de as ter.

Photobucket

E este, para além de uma grandessíssima besta,  é assassino, que não teve escrúpulos de enterrar ainda vivos os amigos que tinha convidado para uma farra. Ele é Militão, um português que já tinha tido problemas com a lei portuguesa e que atravessou um dia o Atlântico para se fixar em Fortaleza, capital do Ceará. Com o crime a povoar-lhe a mente resolveu dar o golpe nuns amigos empresários... seis! Tudo aconteceu há oito anos, exactamente no dia 12 de Agosto de 2001. Detido, foi julgado e sentenciado em 150 anos de prisão pela Justiça Brasileira. ODiário de Notícias fala-nos hoje dele e da história macabra que enlutou seis famílias, fez correr rios de tinta e manchou o nome de um povo, o seu.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:40

Proibido Fumar, SP

por neves, aj, em 12.08.09

Às vinte e quatro horas de Sexta-feira, dia 7 de Agosto, entrou em vigor no Estado de São Paulo (é uma norma estadual, note-se) a denominada lei anti-fumo com proibições (e polémicas) bem semelhantes às que aconteceram pela Europa fora (a que não escapou o reino da Lusitânia) quando a lei anti-tabaco lá foi imposta em 1 de Janeiro de 2008.
Estabelecimentos onde seja proibido fumar, táxis e transportes públicos, et cetera e tal, são obrigados, sob pena de coima, a colocar em local bem visível o logótipo abaixo que tem a forma geográfica do Estado e que pode ser baixado gratuitamente na internet...

Photobucket
clicar para download de avisos

mas claro que o tão apregoado jeitinho brasileiro (também ao jeito lusitano, afinal) engendrou logo forma de ganhar uns cobres!

Photobucket
clicar na imagem

A Lei foi amplamente difundida: na comunicação social, em acções de sensibilização, nas ruas (ampulheta de contagem regressiva por exemplo) e até exposições temáticas foram realizadas, como esta escultura em forma de cigarro enorme construída com 15 mil bitucas ou, em linguagem popular portuguesa, quinze mil beatas.

Photobucket
clicar na imagem

Sinceramente que a nós a Lei não nos atrapalha em nada, acostumados que estamos a não fumar em locais públicos fechados (ambientes fechados de uso colectivo, como é norma denominar), e, para mais, os nossos hábitos cá na megaurbe são bem diferentes dos trazidos já que deixámos de frequentar bares e restaurantes, por exemplo. Vida muito caseirinha, diga-se de passagem. Quanto aos transportes já era norma com a qual há muito convivíamos.
Agora, um aspecto caricato é este como a foto abaixo documenta: sendo proibido fumar nos bares e restaurantes, mesmo em esplanadas montadas nos passeios ou calçadas [§1º Artigo 2º], geralmente cobertas por um telhado avançado ou toldo, basta ao fumador ou fumante levantar-se da cadeira, dar um passo para o lado e vir para o meio da rua satisfazer o seu hábito (para uns vício) já que a Lei não proibe fumar na via pública. Se o vento estiver contra o bem-estar lá teremos os fumadores passivos a reclamar, mas injustamente já que neste caso a Lei nada pode... poderá sim obom-senso (defendemosesta grafia) que afinal é a mãe de todas as leis.

Photobucket
clicar na imagem

Nos finalmentes, diga-se que apesar de fumador (ou fumante, em versão brasileira), apoiamos a Lei, na sua essência, porque somos defensores do bem-estar social e respeitamos o semelhante. No entanto, para que esse bem-estar social seja uma realidade bem melhor seria importante uma certa reciprocidade dos não-fumantes (mui principalmente de muitos exs), que não se sirvam de radicalismos e não marginalizem quem fuma como se de um proscrito se tratasse. Se o fumador não cumprir as regras estabelecidas que o ataquem, ora, que o denunciem, mas cuidado: não atireis de imediato todas as pedras, guardai algumas, porque como de descumpridor (se existe cumpridor e descumprir...) e de louco todos teremos um pouco, não julgueis que é apenas com regras anti-fumo que esterilizais o ambiente, nos bares particularmente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:50




calendário

Agosto 2009

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031