Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Quando já ninguém apanha a azeitona

por neves, aj, em 30.10.09

quem é Pedro Guina

A opinião de PEDRO GUINA


Quando já ninguém apanha a azeitona

De há uns anos a esta parte o cenário repete-se nesta altura do ano. As oliveiras espalhadas religiosamente pelos nossos antepassados pelo nosso Concelho estão simplesmente abandonadas, tal como abandonados estão os terrenos onde as mesmas estão plantadas.
Hoje já ninguém apanha esse pequeno fruto que é transformado num néctar, apreciado por todo o mundo. Portugal, noutros tempos um dos maiores produtores de azeite do mundo, depara-se com a insólita situação de já ninguém querer apanhar a azeitona que as nossas oliveiras generosamente dão. Ficam nas árvores, acabam por cair, sem que ninguém lhe dê grande importância. Na mente capitalista actual, sempre é preferível e mais barato comprar uma garrafa de azeite num supermercado qualquer. Os antigos lagares de azeite, testemunhos de tantas noitadas de trabalho dos nossos antepassados encerraram e muitos já estão em ruínas.
Isto é o exemplo da falta de uma política agrícola deveras bem concebida. Os nossos terrenos, por mais férteis que sejam, estão a ser devorados pelas silvas, pelas acácias e pelos eucaliptos.
Quem não se lembra do nosso concelho há 15 anos atrás? Cheio de vida nas aldeias, que traziam os produtos da horta para a nossa feira?
Um dia destes dizia-me um ancião no meu escritório com alguma preocupação que, provavelmente daqui a dez anos, o mesmo iria acontecer com a vinha.
Terá um país futuro quando o seu sector agrícola caiu completamente no esquecimento, sector esse, que, como por exemplo no caso concreto das oliveiras, até é um sector de futuro, sendo exemplo disso a aquisição pelos espanhóis de propriedades alentejanas com hectares de oliveiras?

Pedro Guina
Advogado

www.pedroguina.blogspot.com

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:18





calendário

Outubro 2009

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031