Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A Infância que temos hoje...

por neves, aj, em 26.04.08

quem é Lara Guina

A opinião de LARA GUINA

A infância que temos hoje…

PhotobucketMuito se tem falado ultimamente acerca da depressão, pois nunca esta doença foi tão frequente quanto é hoje. Negada durante muitos anos, a depressão na criança é hoje uma realidade unanimemente aceite pela Psiquiatria e pela Psicologia. A ideia da infância como um período tranquilo, protegido de todas as preocupações, conduziu a que, durante muito tempo, não se pusesse sequer em causa que durante a infância não poderia existir sofrimento psicológico.
Hoje em dia, os pais não têm tempo para brincar ou conversar com os filhos porque chegam tarde a casa e os filhos ou têm de estudar, ver televisão ou jogar consola, o que faz com que as relações de pais e filhos se deteriorem com o tempo. Por vezes as crianças ou adolescentes tentam chamar a atenção dos pais fazendo alguma asneira, com o objectivo de serem repreendidos e de não serem ignorados.
Os pais com os seus problemas e stress no trabalho acabam por não se aperceberem do que se passa no seu ambiente familiar. Andam sempre a correr de um lado para o outro, pois muitos pais têm três empregos ou mais. E quando chegam a casa além dos problemas que trazem, trazem também trabalho para acabar. Isto faz com que os filhos se refugiem no seu mundo e não se relacionem de forma saudável com os seus pais. As crianças sentem-se tristes, aborrecidas, frustradas e podem desenvolver uma depressão infantil.
Quanto mais nova é a criança, maior tendência tem para exprimir corporalmente a sua tristeza, através de dores sem uma explicação física para tal, dificuldades respiratórias, eczemas ou alergias da pele, vómitos. A regressão também poderá ser um sintoma, pois a criança adopta comportamentos que já havia ultrapassado (chupeta, fralda). As dificuldades escolares e de concentração, a falta de confiança em si própria, os sentimentos de inferioridade e o isolamento ocupam um lugar privilegiado na manifestação da angústia que vive. As perturbações do comportamento alimentar e do sono poderão estar também presentes. Assim, a criança pode perder o apetite ou, pelo contrário, surgir um aumento da tomada de alimentos. A criança pode ter dificuldades em adormecer, ter pesadelos ou mesmo terrores nocturnos.
É importante que os pais não se esqueçam que os seus filhos precisam de carinho, atenção e que se sintam amados. Depois do trabalho, os pais, poderão ajudar os filhos na realização dos trabalhos de casa, fazerem actividades em família, como por exemplo, um passeio de bicicleta, um piquenique, por vezes podem tentar sair um pouco mais cedo do trabalho e irem buscar os filhos à escola. Os pais podem pensar que estas pequenas coisas são insignificantes e que os filhos não iriam dar o devido valor aos seus esforços, mas enganam-se, um só gesto destes faz toda a diferença! Se uma criança está deprimida é porque tem falta de amor.

Lara Guina
Psicóloga Clínica

http://laraguina-psicologa.blogspot.com/



Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:15




calendário

Abril 2008

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930