Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A(s) guerra(s) de João de Jesus

por neves, aj, em 15.07.08

Saúde-se o regresso do camarada e amigo João às lides da escrita aqui no Voz do Seven e em especial por nos oferecer artigo sobre tema ainda e incompreensivelmente considerado como tabu.
EmDe castigo para a bolanha, J. Jesus fala-nos de episódio deveras engraçado, contudo, a narrativa incide principalmente nos horrores vividos na mata e nos terrenos pantanosos (a bolanha) pelos soldados em missão, e em palavras extremamente realistas e contundentes não teme em fazer crítica à forma de fazer guerra dos senhores de altos galões que, como diz, viviam comodamente instalados nos seus gabinetes climatizados pelo ar condicionado e sentados a uma secretária onde o cu da garrafa de whisky fazia marca ao lado de outras no mapa do teatro de operações que assinalavam a progressão dos seus soldados entre balas e mosquitos.

CLICAR PARA AMPLIARClaro está que momentos após tomar conhecimento desta entrada que não é mais que uma chamada de atenção para o dito artigo, o amigo João vai de imediato tentar comunicar comigo e mui provavelmente via áudio pelo msn dizer-me na sua voz de timbre bem característico:
"Eh pá tira lá essa gaita; ainda vão julgar que ando para aqui a exibir-me".
"Não tiro, pá, desculpa lá mas não tiro", dir-lhe-ei de seguida e acrescentarei que aqui no Voz mando eu, que afinal de contas também terei direito a um quinhão da ditadura que ainda nos envolve. Procurarei esclarecê-lo com palavrinhas mansas mas convincentes que ao colocar esta imagem não foi para fazer publicidade aos tempos do garboso soldado por terras africanas antes sim para mostrar a toda a malta que a par da terrível e temível guerra (colonial) outras guerras (do lazer) se tinham obrigatoriamente de travar para que não fossem tão traumatizantes os gritos ou o silêncio sepulcral dos camaradas que na missão anterior tiveram o "azar" ou a infelicidade de serem atingidos por projécteis perdidos vindos da mata.
Mas verdade seja dita que coloco ainda a foto com uma segunda intenção, especialmente dirigida aos jovens destas novas gerações para que não se deixem iludir com as falinhas mansas branqueadoras que agora lhes dão, onde lhes chegam a dizer que essa história da ida a África naqueles tempos era apenas o que a foto pode transparecer: soldado com farda engomadinha, despido de arma e prontinho para ir para a boémia. Nada disso, meninos e meninas, a guerra era um facto, existia, matava e estropiava, era bem verdadeira e carregada de horrores como nos revela o artigo
De castigo para a bolanha onde o próprio João é parte integrante.



Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:01


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.




calendário

Julho 2008

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031