Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



quem é Lara Guina

A opinião de LARA GUINA

Crianças com Transtorno Obsessivo Compulsivo


As “manias”, alguns tiques e pensamentos absurdos que não saem da cabeça de algumas crianças, fazem parte do seu dia-a-dia e podem fazer parte do quadro de Transtorno Obsessivo Compulsivo. Este transtorno, por vezes, passa despercebido porque as “manias” são comportamentos, que à primeira vista são considerados normais e quando incluídos nas brincadeiras ninguém se apercebe deles. Os pais destas crianças apenas não reparam que estes comportamentos são repetitivos e que passam a rituais diários. Este transtorno quando aparece precocemente é entre os 8 e os 10 anos de idade da criança.
Crianças com este transtorno, por exemplo, quando andam de carro com os pais contam árvores ou postes; ou quando andam a pé não calcam os riscos da calçada. Também podem ter presente a ideia da contaminação, e assim, evitam tocar em inúmeras coisas ou pessoas, pois têm medo de contraírem uma doença e, por isso lavam imensas vezes as mãos, tomam banhos e lavam os dentes. Os seus cadernos escolares podem apresentar muitas marcas de borrachas, devido à procura da perfeição da sua letra. Podem sentir um medo patológico de perder o controlo e de realizarem um acto socialmente inadequado, de envergonharem outras pessoas, de se engasgarem ou verterem a bebida à hora das refeições.
Todos os pensamentos repetitivos que estas crianças têm (que podem contrair uma doença, que a sua letra não está bonita, o medo de passarem vergonhas) provocam uma grande ansiedade. A forma usada por elas para combater esta ansiedade é a realização de certos comportamentos, de modo a que durante umas horas ou minutos, deixem de ter os pensamentos repetitivos. Por exemplo, uma criança que fica sozinha em casa pode pensar que a porta não está trancada e que a podem assaltar ou raptar, sentindo-se ansiosa e com medo, pode levar a criança a dirigir-se inúmeras vezes à porta para verificar se esta está mesmo trancada, o que acaba por acalmá-la por um tempo.
Os comportamentos realizados com o objectivo de baixar a ansiedade acabam por limitar a vida da criança, pois cada vez mais estes se vão complexificando e demorando mais tempo a se realizarem.
A estas crianças só costuma ser feito o diagnóstico de Transtorno Obsessivo Compulsivo depois de aparecerem nas consultas devido a um baixo rendimento escolar, pois este transtorno afecta a capacidade de concentração das crianças. Também é importante que os pais estejam atentos a problemas dermatológicos, pois devido às lavagens excessivas com água e detergentes, é normal que apareçam dermatites.
Apesar deste transtorno ser pouco conhecido ou do qual pouco ou nada se ouve falar, tanto em crianças como em adultos é uma doença crónica. Apesar de não haver uma cura, a psicoterapia ajuda na eliminação de muitos comportamentos e pensamentos repetitivos e na diminuição de intensidade de alguns que ficam. Pacientes em acompanhamento psicoterapêutico, deixam de ter a sua vida tão limitada e retomam o emprego, algumas tarefas abandonadas, voltam a melhorar a sua capacidade de concentração e o seu sofrimento e ansiedade diminuem consideravelmente.

Lara Guina
Psicóloga Clínica

http://laraguina-psicologa.blogspot.com/

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:18





calendário

Agosto 2008

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31