Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Pequeno teste

por neves, aj, em 20.08.09

(às precipitações das mentes mal formadas)

... se visto a rondar a viatura, o homem terá mais chances de ser identificado como ladrão ou como proprietário?

PhotobucketPhotobucket

Já não nos lembramos muito bem como era exactamente o teste que um dia observámos em programa de televisão, mas a situação ocorrida em Osasco, município da Grande São Paulo, abriu-nos parcialmente a memória. Lembramo-nos que o objectivo era qualquer coisa do género de descobrir o racismo que cada um de nós, cidadãos, pode conter dentro de si fruto da educação social que nos é incutida. Era mostrado ao comum passante um painel com meia-dúzia de fotografias de pessoas com diferentes tons de pele e diferentes fisionomias, umas bem vestidas e outras mal. Ao lado havia outro painel mas com fotos de bens materiais, mansão, casa, automóvel, etc, e era pedido ao entrevistado para fazer a correspondência das pessoas com esses bens.
Claro que o nosso teste peca pela ausência de outras muito mais fotos, aqui só pode ser SIM, é proprietário, ou NÃO, não é proprietário, podendo ainda os mais precavidos nestas questões tão delicadas que envolvem racismo esquivar-se a uma resposta sincera, respondendo que SIM, senhor, mas no seu interior perguntar-se se realmente o será. Quem não achou que o cidadão poderia ser o proprietário da máquina foram os seguranças de um Centro Comercial onde a esposa se encontrava em compras (ele só ficou por ali porque tinha uma das filhas a dormir no banco traseiro da viatura). Após um desentendimento, que não vem ao caso, foi levado, interrogado e socado, sempre com provocações raciais segundo o próprio, entregue à Polícia (à qual acusa de descaso) e depois de muito insistir de que era o dono lá conseguiu provar com a documentação de que o automóvel era pertença do casal. [notícia]

Quanto ao resultado do nosso teste feito aqui, ele está escrito na vossa consciência, consultem-na, e quanto aos resultados do teste que apontámos feito em Praça de São Paulo nem valerá a pena contar-vos porque o que os organizadores esperavam teria acontecido, com os bens de riqueza elevada a serem conotados preferencialmente com o branco bem vestido. Bem a propósito virá outro teste, também feito por canal de televisão, bem mais simples, mas de resultados bem mais nojentos: um potencial passageiro de pele mais escura colocou-se estrategicamente antes, aí uns vinte metros, de um outro potencial passageiro de pele clara. Ao característico sinal de solicitação de Táxi feito pelo primeiro dos actores (de actores se tratavam como é óbvio), o automóvel tratava de encostar à berma para o "apanhar" e era chegado o momento de o segundo actor levantar o braço a pedir o Táxi... foi nojento de observar, caros amigos e amigas, o número de taxistas que abandonaram o primeiro cliente.
Fiquem bem, e que haja esperança de que as gerações vindouras sejam bem menos intolerantes do que a nossa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:44


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.




calendário

Agosto 2009

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031