Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Vergonhas e monstros

por neves, aj, em 30.07.07

(a propósitodos  monstros vergonhosos que separam os povos viajo a Santa Comba, façoescala em Berlim, dou um salto à Faixa de Gaza e à fronteira EUA-México, e,finalmente, lanço desejo naTríplice Fronteira)

CLICARHá muitosanos, era eu uma criança, no entanto criança com mais de um palmo e meio vistoque já sabia juntar as letras e as sílabas, o meu vizinho do lado, senhorJosé de Almeida, escreveu no jornal Defesa da Beira: "... em Berlim, existeo Muro da Vergonha, no Outeirinho a Vergonha do Muro."
A vida, otempo, não permitiu que o meu vizinho visse cair a vergonha de Berlim (
1989),mas a sensibilidade e a irreverência que escreveu naquela altura, há mais de40 anos, aplica-se ainda hoje... basta substituirmos as designações. A propósitodo Muro do Outeirinho devo alertar que não posso precisar se o meu vizinho sr.Almeida se referia ao muro que me recebeu logo após eu ver a luz do Sol pelaprimeira vez se àquele que nasceu no seu lugar e que poderia ser alvo deeventuais críticas. Pouco interessará por agora, o que conta é a voz deprotesto.
No entanto, aofalar do muro e da contribuição dada pelo meu vizinho vejo-me agora obrigado afazer rápida viagem ao passado e a recordar (assinalando) a boa vontade do vizinhoda frente, senhor José Branquinho, que contribuiu também para que oOuteirinho se alindasse e, acima de tudo, se tornasse mais seguro para os seusresidentes... especialmente para as crianças que como eu eram constante fonte depreocupação se saíssemos fora do olhar de nossas mães. Eu, criança com otal palmo e meio, vi cair então o muro torto, bojudo e inseguro que,do outro lado e mesmo em frente de minha casa partia no sentido do Largo doOuteirinho. No seu lugar, melhor dizendo umas boas dezenas de centímetros mais para dentroda Quinta do sr. Branquinho,  cresceu outro, mais firme (talvez menosestético) em que o intervaloentre pedras já não era preenchido com barro e sim com argamassa de areia ecimento. Registe-se que nesta empreitada se aproveitou para esventrar a Rua, emfrente a minha casa até teve que ser a tiro, colocando-se então o esgoto domésticoe de águas pluviais e se tal vem aqui a lume é que naquele tempo de qualidadesde vida arredias tais direitos eram considerados luxo. Vem ainda a propósitodizer que a rua em si foialcatifada de cima a baixo com cubos de granito o que até permitia um melhor desempenho nas nossasfuteboladas (feitas, claro, longe dos olhares punidores dos guardas republicanose dos fiscais da câmara) e o Largo foi contemplado com um muro mais bonito e mais alto,também maistranquilizador do coração de nossas mães, e que agora há bem pouco tempoaté ficouainda
mais alindado com azulejos em painel.

Bom... mas onosso negócio são outros muros, apesar de que tão longadissertação teve o condão de me fazer viajar sem receio algumàs origens.


Este escritonasceu a propósito de foto, mais uma, publicada no portal uol e quenos retrata os trabalhos de construção de muro separador entre Israel ePalestina nas proximidades de Belém, curiosamente a cidade considerada berçode uma das mais difundidas filosofias ou ideologias, o Cristianismo, cujo tronco alimentadiversas religiões algumas delas muito difundidas e poderosíssimas como o Catolicismo. 

A referidafoto, que até abre esta entrada, fez então com que nos interrogássemos dasrazões de não haver contestação mundial. De não ser denunciada nasprimeiras páginas em letras bem gordas a VERGONHOSA CONSTRUÇÃO DE UM MONSTROEM PLENO SÉCULO XXI. De não se levantar um movimento universal e gritar MURONÃO OBRIGADO e/ou MURO JÁ BASTOU UM, O DE BERLIM, NÃO QUEREMOS MAIS NENHUM.Perante o silêncio de cada um de nós e, claro, das organizações, ele, o muro, lá vai sendoconstruindo sem pio, na Paz do Senhor e dos senhores,  sem estes senhores donos deste mundo mundano lhe chamaremrestritivo da liberdade, sem o ocidente o apelidar de cortina de ferro, debetão ou açoou de outro material qualquer... tudo em prol, dizem eles os mais poderosos, dasegurança deles dos mais poderosos que, curiosamente, são acobertados por outros ainda mais poderosos.

Aproveitando aboleia ou a carona, outrosmuros bem reais se vão construindo (outras separações existem, mas pelo menosnão tão descaradamente visíveis) e o mundo cala, continua calado... comoaquele erguido na fronteira entre México e EstadosUnidos da América de modo, dizem eles os mais poderosos, a combater amigração ilegal para país que, paradoxalmente, foi construído graças aomovimento migratório muito dele através dessa mesma fronteira agora tapada eque na altura não interessava se legal ou não. 

Outro muroestaria para aqui ser chamado... mas não o é já que acreditamos na palavra doPresidente Lula da Silva quando instado a comentar a construção de um polémicomuro entre o Brasil e o Paraguai de modo a combater o contrabando demercadorias: ''Muro não vai ter. Muro, chega o de Berlim, chega o do México,agora, com os Estados Unidos, chega o da Faixa de Gaza'', disse. ''Nãoqueremos muro.''

Nós tambémnão, Senhor Presidente. 
Nós também não queremos muro em lado algumSENHORES PRESIDENTESDE TODO O MUNDO. 

(ergue-te ócidade sem muros nemameias...)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:47


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.




calendário

Julho 2007

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031